4.7.05

A Sociedade da Terra Plana

Tenho o péssimo hábito de não terminar os livros que começo. Quem olha para minha estante vê uma infinidade de marcadores se sobressaindo por detrás da lombadas dos livros. Aliás é muito provável que eu tenha mais marcadores que livros... É que como não tenho o tempo que tinha antigamente para ler um livro até o fim de um só fôlego, sou obrigado a ler aos poucos e isso acaba fazendo com que meu interesse se volte para outra coisa, ou outro livro. Pois enquanto olhava para as prateleiras e refletia sobre esta minha condição de mal leitor, avistei um dos livros inacabados que mais me pesa na consciência: Flatland. O País Plano de Edwin A. Abbott

"Flatland" é sobre o mundo que não vemos e por isso evoca questões transcedentais como quarta dimensão, universos paralelos, dimensões invisíveis, a Matrix, e por aí vai, progressivamente adentrando no controverso terreno espiritual.

Flatland é um mundo bidimensional, ou seja, as coisas não têm altura, só largura e comprimento. É como o mundo seria se vivessemos numa folha de papel. Pra tornar as coisas mais legais, os habitantes deste mundo são polígonos: triângulos, quadrados, hexagonos, círculos, etc, e a conservadora hierarquia social é dada pelo número de lados de cada pessoa - quanto mais lados, mais nobre é o cidadão desta legítima Terra Plana. Assim os triângulos constituem a classe mais baixa de Flatland (exceto os equiláteros, cuja perfeição é muito apreciada); os quadrados vêm logo em seguida e assim por diante até o nobílissimo Círculo, cujo número infinito de lados lhe garante a condição de Rei. Como não dispõem da vista superior, os habitantes de Flatland enxergam um ao outro na forma de segmentos de reta (que é como se pareceria um polígono se você pudesse vê-lo de frente). Então a única maneira que um morador de Flatland tem para saber o número de lados de outro é tateando o companheiro ou então avaliando a diferença de constraste provocada por uma névoa sempre presente em Flatland, que também permite distinguir profundidades.



"Flatland" foi escrito no final do século XIX e o autor embutiu em seu livro uma sátira à condição submissa das mulheres da época: em Flatland as mulheres são linhas, não tem nem sequer largura, e por isso estão abaixo até mesmo dos vulgares triângulos na escala social. Como são pontudas, as mulheres são consideradas extremamente perigosas porque podem desastradamente perfurar algum desavisado transeunte. Além disso elas podem ficar invisíveis, bastando ficar de frente para o observador. Genial. Pena que tenha gente que não entenda a piada e interprete isso como sinal de misoginia do autor.

Bem, o livro é delicioso enquanto explica o funcionamento e os protocolos de Flatland. Mas a história fica melhor ainda quando o personagem principal, Quadrado - geômetra do reino - começa a narrar suas viagens a outros mundos: a pontolândia - onde os habitantes não tem dimensão - a linhalândia - onde todos são segmentos de reta - e a espaçolândia - mundo como o nosso onde Quadrado é guiado por uma esfera que lhe explica que há outros mundos ainda, com 4, 5 ou mais dimensões. Quando volta ao seu país e tenta convencer os outros habitantes de que existem outros mundos além das duas dimensões, Quadrado é massacrado pelo dogmatismo da classe dominante e preso pelo resto dos seus dias, por espalhar idéias heréticas. É evidente que essa moral é amplamente utilizada pelos Cultuadores de Dragões Invísiveis, que abusam do direito de se colocar nos papéis de Galileo e Colombo.

Incrível é que esse clássico da literatura só tenha ganhado uma edição brasileira há dois anos atrás (a versão inacabada da minha estante é de portugal) e com pouquíssima repercussão, mas pelo menos bem fiel ao original: Planolândia, um romance de muitas dimensões. Uma pena... se a gente vivesse no mundo em que eu queria viver, esse livro seria usado nas escolas para ensinar geometria às crianças.

Pra quem sabe inglês, o livro pode ser lido de graça em inúmeros sites, entre eles este aqui.

8 Comments:

Blogger Luis Brudna said...

´Sofro´ do mesmo mal. Tenho VÁRIOS livros inacabados. E pior... alguns esqueço de colocar o marcador. Aí tem que adivinhar onde parei.

2:25 PM  
Blogger widson porto reis said...

Pois é, e o pior eu que ainda tinha mania compulsiva de comprar livros... mas desse mal eu me curei.

3:45 PM  
Blogger Luis Brudna said...

Eu to resistindo e ainda não comprei ´Capelão do Diabo´ do Dawkins. Vou esperar pra ver se fica um pouco mais barato.

7:57 PM  
Blogger widson porto reis said...

Ah, eu dei a maior sorte. Um amigo meu comprou esse livro na Amazon mas demorou tanto a chegar que ele reclamou e os caras mandaram outro. No fim os dois livros acabaram chegando e ele me deu um deles.

Mas esse eu só devo pegar daqui há um tempo. O próximo da fila é "Picturing Extraterrestrials - Alien Images in Modern Mass Culture" que fala sobre a maneira com os ETs são retratados na cultura popular. A capa é uma Mona Lisa distorcida como um gray alien.

10:29 PM  
Anonymous Homero said...

Olá

Também compro livros compulsivamente, mas esse vício tem sido controlado pelo preço absurdo de livros neste pais..:-) Também espero que o Capelão do Diabo fique mais em conta, este mês já esgotei a cota de livros permitidos por meu saldo bancário..:-)

Um abraço.

Homero

12:58 AM  
Anonymous Lennine said...

Fala moçada

Por que não trocamos livros? Será que não dava para pensarmos nisso não, hein? Se todos (sim, eu também...) temos problemas em comprá-los e temos centenas que ler, podíamos, sei lá, pensar em algum modo de trocarmos referências e compartilhar as leituras (eventualmente até revistas, especialmente as estrangeiras...). Hum, hum, hum?

Widson, parabéns por mais esta.

9:07 AM  
Blogger widson porto reis said...

Por mim tudo bem. Eu prefiro ver meus livros serem lidos por algum amigo, do que parados na minha estante. A gente pode trocar emails combinando como fazer.

[]s

9:22 AM  
Blogger HelioPereiriano said...

Esse problema me custou sérias consequências.

Comprei tantos livros que esgotei toda minha conta bancária. E agora preciso de um apartamento para guardá-los adequadamente. Pela falta de espaço eles ficavam na casa de um amigo dentro de caxas, agora eles estão enfiados em qualquer lugar que ofereça uma concavidade qualquer, e suas posições estão registradas num banco de dados no hd de um computador cuja placa mãe se queimou.

Queria terminar "A História dos Números" mas preciso concertar o outro micro, recuperar os dados do HD e descobrir em que concavidade foi enfiado.

Mas como faço para recuperar o HD ? Bom, tem um livro vi outro dia...

11:50 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

free webpage hit counter