13.9.05

Edmundo, o Céptico

Cecília Meireles

"Naquele tempo, nós não sabiamos o que fosse cepticismo. Mas Edmundo era céptico. As pessoas aborreciam-se e chamavam-no de teimoso. Era uma grande injustiça e uma definição errada.

Ele queria quebrar com os dentes os caroços de ameixa, para chupar um melzinho que há lá dentro. As pessoas diziam-lhe que os caroços eram mais duros que os seus dentes. Ele quebrou os dentes com a verificação. Mas verificou. E nós todos aprendemos à sua custa. (O cepticismo também tem o seu valor!)

Disseram-lhe que, mergulhando de cabeça na pipa d'água do quintal, podia morrer afogado. Não se assustou com a idéia da morte: queria saber é se lhe diziam a verdade. E só não morreu porque o jardineiro andava perto.

Na lição de catecismo, quando lhe disseram que os sábios desprezam os bens deste mundo, ele perguntou lá do fundo da sala: "E o rei Salomão?" Foi preciso a professora fazer uma conferência sobre o assunto; e ele não saiu convencido. Dizia: "Só vendo." E em certas ocasiões, depois de lhe mostrarem tudo o que queria ver, ainda duvidava. "Talvez eu não tenha visto direito. Eles sempre atrapalham." (Eles eram os adultos.)

Edmundo foi aluno muito difícil. Até os colegas perdiam a paciência com as suas dúvidas. Alguém devia ter tentado enganá-lo, um dia, para que ele assim desconfiasse de tudo e de todos. Mas de si, não; pois foi a primeira pessoa que me disse estar a ponto de inventar o moto contínuo, invenção que naquele tempo andava muito em moda, mais ou menos como, hoje, as aventuras espaciais.

Edmundo estava sempre em guarda contra os adultos: eram os nossos permanentes adversários. Só diziam mentiras. Tinham a força ao seu dispor (representada por várias formas de agressão, da palmada ao quarto escuro, passando por várias etapas muito variadas). Edmundo reconhecia a sua inutilidade de lutar; mas tinha o brio de não se deixar vencer facilmente.

Numa festa de aniversário, apareceu, entre números de piano e canto (ah! delícias dos saraus de outrora!), apareceu um mágico com a sua cartola, o seu lenço, bigodes retorcidos e flor na lapela. Nenhum de nós se importaria muito com a verdade: era tão engraçado ver saírem cinqüenta fitas de dentro de uma só... e o copo d'água ficar cheio de vinho...

Edmundo resistiu um pouco. Depois, achou que todos estávamos ficando bobos demais. Disse: "Eu não acredito!" Foi mexer no arsenal do mágico e não pudemos ver mais as moedas entrarem por um ouvido e saírem pelo outro, nem da cartola vazia debandar um pombo voando... (Edmundo estragava tudo. Edmundo não admitia a mentira. Edmundo morreu cedo. E quem sabe, meu Deus, com que verdades?)"


Texto extraído do livro "Quadrante 2", Editora do Autor - Rio de Janeiro, 1962, pág. 122.fonte


Basicamente o texto se chama "Edmundo, o Céptico" mas bem que poderia se chamar "Edmundo, o Chato".

Edmundo é um cara que não aceita "sim" como resposta. Duvida de tudo e de todos e está sempre disposto a ir às últimas consequências para descobrir a verdade, mesmo que isso signifique colocar sua cabeça nos trilhos de um trem para descobrir se pode parar uma locomotiva em movimento. Edmundo é um bocado burro.

Edmundo não confia muito na ciência também, pois esteve às voltas com o moto contínuo; na certa duvidou do seu professor de física que lhe ensinou entropia e segunda lei da termodinânica tanto quanto de seu professor de catecismo. Edmundo é um radical patológico.

Edmundo é um sujeito bastante inadequado. Alguém que não vê a diferença entre um mágico que entretém as pessoas com truques e um charlatão que usa os mesmos truques para explorar a fé e dor alheia, só pode mesmo ser um mala sem alça.

Edmundo morreu cedo, ateu certamente, o que talvez Cecília desconfie quando pergunta, quase aflita, "quem sabe, meu Deus, com que verdades?"

Pois Edmundo representa o esteriótipo que aqueles que lutam pela razão e pelo pensamento crítico, e infelizmente exercem o ofício de duvidar, precisam se libertar para se estabelecer como movimento sério e responsável nesse país.

9 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Nao deixe de continuar postando. Muito legal o blog.

2:26 AM  
Anonymous Fernando said...

Ótimo texto!

Não encontraria melhor forma de mostrar aos pseudo-céticos (céticos revoltados ou dogmáticos) o quanto eles etsão equivocados.

Abraços.

12:06 PM  
Blogger widson porto reis said...

Pois é, infelizmente temos muitos Edmundos por aí...

12:14 PM  
Blogger MarcosX said...

Olá Widson,
prá variar, excelente texto !
Nós temos um Edmundo aqui no trabalho, se voce quiser utilizá-lo para pesquisas científicas (como lobotomia, transplante de cerebelo, etc) por favor, esteja à vontade :-)
Abraços a todos e parabéns mais uma vez !

1:42 PM  
Anonymous laura said...

o edmundo é um chato mesmo, mas é literatura!

11:08 PM  
Anonymous Sargento said...

Puxa! Obrigado pela relembrança desse texto da minha infância (se não me engano da coleção Para Gostar de Ler).

Parabéns pelo blog.

3:05 PM  
Anonymous Marcelo Henrique said...

Nossa!!!
Eu lembro muito bem deste texto num livro de português que estudei na 6ª série. Boas lembranças de meu colégio em MG.

12:46 PM  
Anonymous OleSchmitt said...

Oi. Vim parar aqui no seu blog porque eu mesmo sou um Edmundo... e não acredito que seu blog seja tão bom!

7:12 PM  
Blogger Carlos Cunha said...

Faz quatro anos que você escreveu este post, Widson... mas eu continuo achando um dos seus melhores!

7:22 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

free webpage hit counter